Comentários: Especificações de projeto TÊM que considerar o método construtivo

Um problema recorrente quando se fala na construção de estandes de vendas, são as especificações de projeto. É muito comum que materiais e detalhes inadequados sejam especificados sem que sejam viáveis para a situação onde serão empregados. Precisamos estar atentos a isso.

Estandes são delicados nessa questão, pois a situação de uso e construção é bastante peculiar, não são obras permanentes, são temporárias e de uso intenso (jamais subestime). Etapas de cura e assentamento de diveross materiais não existem em estandes, e ninguém no Brasil ainda está muito preparado para entender como a forma que construímos funciona e o que cabe e o que não cabe.

O que é a arquitetura sem a experiência da construção? Rabiscos que vão dar dor de cabeça para alguém, só isso. Precisamos caminhar para um cenário de execução de obras mais integrado, acabar com essa imagem imaculada do arquiteto, que as academias brasileiras insistem em perpetuar.

Somente nós que construímos sabemos como eles (estandes) funcionam, uma vez que especificação estrutural correta não existe e nunca vem junto com o projeto de arquitetura. Uma mesma coisa tem infinitas maneiras de ser construída corretamente.

Se o incorporador tem um projeto, e pede que a obra fique pronta em 20 dias, construiremos de um jeito, se pede em 45 dias, de outro, e aí por diante; atender ao prazo nada mais significa do que planejar os processos construtivos, contemplando sempre o mínimo dos requisitos de segurança e durabilidade.

Ás vezes um arquiteto mais consciente loca alguns pilares pré-dimensionados, tenta desenhar uma treliça nos cortes, ou usa a estrutura metálica como elemento de fachada, esboçando uma direção. Mas nós é que colocamos a obra de pé da forma que achamos melhor, dentro do que o incorporador quer pagar. Considerando o preço do m² médio do padrão da obra, que não é do CUB, por sinal.

Nunca existe tempo e dinheiro suficiente para que tudo atinja a excelência, e nós que já sabemos disso ficamos ansiosos no decorrer de todo o processo.

Pode ficar bom, pode ficar ótimo, eficiente; mas excelente é impossível nesse nicho, não dá tempo. São as circuntâncias, é preciso lidar com elas e contorná-las, absorvê-las, não dá mais para continuar ignorando e tratando decoradores/arquitetos como se fossem deuses, irrepreensíveis. Quem já tentou colocar a execução da obra e a viabilidade do prazo em contrato na mesa, ou solicitar uma mudança no projeto para algo ficar mais seguro, discutindo com algum decorador ou arquiteto “gerente” de algum escritório famoso no meio, sabe o inferno que vira tentar terminar a obra. Esse post nem precisaria estar sendo escrito se tivéssemos a oportunidade de compartilhar nossas experiências, já que é impossível aprendermos TUDO antes de ir pro canteiro de obras, estando preparados para toda e qualquer situação, numa situação de maratona onde tudo o que você tem que fazer é correr e correr para entregar a obra o mais rápido possível.

Como a maioria dos arquitetos que projetam estandes e apartamentos vêm da especialização de interiores (isso não é de agora, isso vem desde 1920), não tendo muito contato com os processos construivos e com o canteiro de obras, e consequentemente com o feedback da construção, é muito comum que a beleza ou a vontade de usar determinado material se sobreponha a sua viabilidade técnica. Você tem 30 dias para entregar a obra completa, pronta para inaugurar, e precisa fazer sancas complicadas em forros enormes? Fica difícil não é mesmo? Esso é um exemplo de especificação incompatível.

A nós que somos os “peões”, são poucos os incorporadores que ouvem quando advertimos. Adivinha pra quem sobra resolver a bronca e se responsabilizar? Isso acontece em todas os tipos de obra, mas em estande é pior.

Cada obra é diferente e acumula um aprendizado, não sabemos tudo, e precisamos ter em mente de que determinada situação pode sair algo que vai dar errado ou certo. Jamais ignore aquela vozinha que diz: “isso pode dar problema”, e tente se prevenir. Obra não é lugar de quem nunca acha que pode estar enganado ou cometer um erro.

Falar de detalhes de execução de obra no Brasil é meio que um tabu (diferente dos EUA) ninguém comenta as verdades de ser encarregado de uma obra, precisamos registrar nossas experiências. Todo mundo quer tanto passar a imagem de bem sucedido e infalível, e justamente o que nos faz melhores, que são as nossas experiências, ficam escondidas atrás de um monte de “atributos” e “qualificações” clichês.

Cabe nesse caso que arquitetos, incorporadores e construtores possam conversar abertamente e se entender, fazendo a verificação correta do projeto, antes de começar a obra, e ter em mente que situações não previstas podem nos pegar de surpresa, por nunca as termos vivenciado antes, isso exige compatibilização no decorrer da obra, que demanda flexibilidade de todos; tendo em mente o bom resultado final e o respeito.

Já passei muito por esse tipo de situação, e vou fazer uma lista de utilidade pública das minhas experiências com especificações de projeto que não deram certo:

  1. Esses lavatórios esculpidos são um problema: PAREM DE QUERER COLOCAR ISSO EM ESTANDE E DECORADO EM BALANÇO. Ou coloca um móvel embaixo dando apoio, ou não coloca.
  2. Revestimentos de grandes formatos tem sido especificados em estandes ultimamente. Eu não executo mais, pois não é adequado. Mezanino de estrutura metálica leve, em painel wall de pé-direito alto, com porcelanato de 1 metro em tudo? NÃO DÁ. Em mezanino de estande somente piso laminado ou vinílico. Não dá pra inventar moda, o balanço faz as peças se soltarem, mesmo com juntas de dilatação, peças desse tamanho tem curvatura, o painel wall trabalha na vibração, não dá certo. Ele só pára se você assentar com veda-calha ou silicone. E o rejunte tem que ser muito bem pensado, não dá para usar rejunte normal.
  3. Piso de cimento polido em obra que está com o entorno em terraplenagem? E o cliente reclama porque manchou de terra? É impossível não manchar, IMPOSSÍVEL, lona não segura sujeira em chão nenhum, madeirite em cima de concreto fresco, abafando a cura? Fica uma bosta. NÃO, NÃO E NÃO.
  4. Vão livre grande sem altura útil para armar a estrutura? NÃO.
  5. Por que a pessoa coloca diferença de altura de 10 centímetros entre a altura do plantão e do resto do estande? 10 cm…. NÃO. Para que ficar fazendo 500 alturas diferentes num estande? Nos obrigando a seccionarmos a estrutura e perder tempo?
  6. Porta de correr de vidro ou madeira sem trilho no chão? NÃO.
  7. Porta laqueada? PAREM, nenhum incorporador achar legal pagar mais de R$ 800 reais por uma porta com batentes e guarnições laqueadas. Já experimentou instalar uma porta laqueada fosca numa obra cheia de terra? Laca não dá retoque, ou pinta tudo de novo ou não tem o que fazer.
  8. Em obras de grandes metragens, a primeira coisa que você precisa fazer é pagar um topógrafo e verificar TODA A IMPLANTAÇÃO antes de começar, marcação de obra só com topógrafo. Você pode descobrir que METADE DO TERRENO onde você tem que construir a obra NÃO EXISTE kkkkkkkkkkkk. Isso já aconteceu comigo e foram tão descarados que colocaram a culpa em mim, por não ter conseguido cumprir o prazo por ter esperado mais de 2 semanas a movimentação de terra, talude, compactação e assentamento para poder concretar em cima.
  9. Já fiz a cagada de resolver colocar piso laminado no estande, para não perder tempo assentando piso e ter que compatibilizar o prazo com pintura e elétrica em cima; o sol bateu no piso e empenou as juntas. Protejam as fachadas do sol, criem projeções de sombra SEMPRE = conforto térmico e durabilidade do material.
  10. Cuidado com ar condicionado nas cidades do interior que são mais quentes: Verifique com algum especialista antes de considerar no orçamento e instalar, NÃO USE CÁLCULOS DE INTERNET, NUNCA, JAMAIS. Não vai ser suficiente.
  11. Vidro demais no Brasil não é adequado. Precisamos vedar melhor nossos estandes. Ninguém vai mudar a especificação de projeto por isso, mas sabemos as implicações e precisamos comunicá-las. Aprendemos que estande tem que ser um aquário, mas aprendemos errado.

E a última e mais importante:

11. Tem muito bandido dentro de incorporadora fantasiado de gerentão. Cuidado com esses, eles ganham dinheiro em TUDO que colocam a mão, do início ao fim, nas costas dos diretores incautos que acreditam que se tratam de pessoas de confiança. Verifique por quem você está sendo contratado, para quem você vai se reportar, para não acabar queimado ou falido. Especificações de projeto são justamente eles agem para tentar te tirar da obra e colocar os contatos $$$ deles, caso não tenham conseguido no processo de contratação.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s